Mulheres e Saúde: as diferentes faces da inserção feminina no trabalho e na educação em saúde 

Sobre a Obra

A pandemia de COVID-19 produziu mudanças relevantes na vida cotidiana ao redor do mundo e, dentre essas mudanças, a visibilidade do trabalho em saúde e da ação das mulheres no enfrentamento à pandemia, nos serviços e sistemas de saúde e também, no cotidiano da vida das famílias e grupos. Desde que foi comemorado pela primeira vez, retomando a greve nas fábricas de Chicago (EUA) do dia 1º de maio de 1886, o foco das comemorações do Dia Internacional do Trabalhador é o trabalho que produz bens de consumo. Nos anos de 2020 e 2021, os aplausos foram para o trabalho em saúde e sua relevância no enfrentamento à pandemia. De forma similar, o Dia Internacional das Mulheres, que vem gerando manifestações desde a jornada pela igualdade de direitos civis e em favor do voto feminino, em 1909 em Nova York. Nos anos do enfrentamento à pandemia a visibilidade foi em relação à saúde das mulheres, sobretudo no trabalho formal e informal. Inicialmente, a data era itinerante, contudo, o dia 08 de março foi instituído formalmente pelas Nações Unidas desde 1975.

A participação das mulheres no trabalho em saúde é uma das ênfases da campanha da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o ano de 2021, declarado o “Ano Internacional dos Trabalhadores da Saúde e Assistência”. Como homenagem e reconhecimento à relevância dos trabalhadores e trabalhadoras de saúde, a OMS lançou a campanha “Proteja, Invista, Juntos”. O slogan da campanha lembra que 70% da força de trabalho em saúde e assistência é formada por mulheres e que é necessário investir na igualdade de gênero nas iniciativas de desenvolvimento dos sistemas e serviços de saúde.

Entre as iniciativas da campanha no Brasil, foi proposto o Livro Azul, como conceito articulador das estratégias de disseminação de conhecimentos e informações relativas à contribuição da Agenda Brasil para o Ano Internacional dos Trabalhadores da Saúde e Assistência e para compartilhar diferentes abordagens ao tema.

Para essa edição do Livro Azul, produzida com a liderança da OPAS Brasil e, em particular, da Unidade Técnica de Capacidades Humanas para a Saúde, mobilizamos a produção de alguns textos de referência, que permitem compreender e tornar visível as diferentes faces da interface das mulheres na saúde, sobretudo em tempos de pandemia. Mobilizamos pesquisadoras e pesquisadores em grupos interinstitucionais em diferentes lugares do país para, com base na produção de pesquisas, elencar questões que permitam contribuir com a agenda de reflexões e iniciativas do Ano Internacional e, em especial, das interfaces das mulheres com a saúde. O resultado superou enormemente a expectativa inicial e o compartilhamos com todas as pessoas que acessarem a produção, numa iniciativa de cooperação com a Editora Rede Unida.

Mês e ano de publicação: junho de 2022

Organizadores: Mònica Padilla, Cristiane Goshc, Lisiane Bôer Possa e Alcindo Antônio Ferla
ISBN: 978-85-54329-42-6
DOI: 10.18310/9788554329426

Compartilhe:


PDF

0 comentários

Enviar um comentário



O seu endereço de e-mail não será publicado.